15 Álbuns para se entender a nova geração do Heavy Metal


Sou grande fã de Rock e Heavy Metal. Dentre as bandas de Metal, ainda as que me chamam mais a atenção são as da nova geração, que adicionaram e difundiram conceitos diferenciados das bandas clássicas do Heavy Metal como Iron Maiden, Metallica, Judas Priest, Helloween e outras. Nesta lista, considero eu, você poderá conhecer melhor os gêneros e bandas do pós-80 que fizeram (e continuam fazendo) sucesso com novas fórmulas do Metal. Algumas vanguardistas, outras apenas adaptaram-se e aperfeiçoaram estilos da década de 80.

A ordem da lista é de suma importância, as bandas foram colocadas cronologicamente conforme sua aparição para a mídia musical. Não ocorre aqui uma lista de qualidade que não leva a lugar algum, mas sim uma lista de primordiais, grupos importantes que estão, no meu ver, transformando a música como nós conhecemos.

(1993) Angra – Holy Land (1996) – País: Brasil

Um projeto audacioso, assim era conhecido o Angra quando foi lançado para o público nacional. Aproveitando a onda internacional com o crescimento da popularidade de bandas como Helloween, Gamma Ray e Stratovarius, Andre Matos e Rafael Bittencourt criaram juntos um projeto que teria como objetivo aliar o poder das bandas europeias do Metal com a fusão de ritmos nacionais e folclóricos. Assim surgiu o Angra em 1993 ao lançar o álbum “Angels Cry”, ganhando reconhecimento da mídia e do público japonês e europeu. O som era muito diferente do que o público brasileiro estava acostumado, mas o apelo da música com o uso de histórias e sons da cultura brasileira fizeram a banda alcançar uma posição privilegiada que nenhuma outra banda de metal nacional já alcançou no Brasil, um som que fugia do underground do metal nacional e buscava um lugar ao sol. Aos moldes do Angra surgiram outras bandas que buscaram esta mesma fórmula, como o Aquaria, Tuatha de Danann, Hangar e depois o Shaman. Infelizmente o projeto de metal genuinamente brasileiro falhou, e estas bandas hoje estão no underground. Abaixo o videoclipe da música “Make Believe” do álbum “Holy Land”, um dos, se não o mais marcante, da história da banda.

(1995) Ayreon – The Human Equation (2004) – País: Holanda

Vanguardista, não há palavra melhor para retratar o holandês Arjen Anthony Lucassen, criador do projeto Ayreon. Arjen, além de talentoso vocalista, guitarrista, tecladista e produtor, também foi o primeiro a utilizar-se do estilo Ópera Metal em 1995 com “The Final Experiment”, baseado em álbuns conceituais de Ópera Rock como “The Wall” do Pink Floyd, “Tommy” do The Who e “Jesus Christ Superstar”. Ayreon já teve o prazer de receber músicos famosos e gabaritados, dentre eles algumas das maiores vozes do Metal, como Bruce Dickinson (Iron Maiden), Hansi Kürsch (Blind Guardian), Jorn Lande (Masterplan), Anneke van Giersbergen (Agua de Annique, The Gathering), Simone Simons (Epica), entre outros, além de apostar e revelar novos talentos para a música, como Marcela Bovio (Stream of Passion). “The Human Equation” é sem sombra de dúvidas o melhor álbum do projeto, contando a história de um homem que sofre um acidente misterioso e fica por 20 dias em coma. Durante este tempo deve rever seus erros e confrontar seus sentimentos se quiser continuar a viver. Vale lembrar que o Ayreon também foi o primeiro grupo de Metal a utilizar elementos de ficção científica em seus álbuns de forma bastante latente. Abaixo dois dos vídeos do álbum, com as músicas “Day Eleven: Love” e “Day Sixteen: Loser”.

(1995) Opeth – Blackwater Park (2001) – País: Suécia

O Opeth foi a principal banda responsável pela revolução do Death Metal, aplicando a ele os elementos do progressivo. Mikael Åkerfeldt, um dos melhores vocalistas desta nova geração da música, é bom tanto em seus vocais guturais e sombrios do Black Metal quanto nos vocais mais limpos do progressivo. A variação e a diversidade dos estilos aplicados sem perder a qualidade da música é uma das marcas da banda, que soube aplicar muito bem o progressivo ao estilo Dream Theater e o lado mais sombrio do Death, a primeira banda a criar o conceito de Death Metal, em uma singularidade única, que cria uma música totalmente diferente do que os fãs do metal estavam acostumados. É uma banda para ser ouvida e levada a sério.

(1995) In Flames – The Jester Race (1995) – País: Suécia

O In Flames apareceu para a música juntamente com o Opeth. Um dos pioneiros do estilo Melodeath, que junta a impetuosidade e a força do Death Metal com o Metal Melódico mais intimista e com recursos mais amplos de som.
A criação do estilo, que também é conhecido como Gothenburg Metal, deu a eles, juntamente com as bandas At The Gates e Tranquility, o título de “Three Kings” (Os Três Reis), pela influência no estilo, que baseou toda uma legião de bandas no metal escandinavo no final do século XX.
Por terem surgido na mesma época do Opeth e terem criado juntos um espaço significativo para o Death Metal na Suécia, a comparação entre os dois grupos sempre acontece, porém a diferença entre a música dos dois é de fácil percepção. Eu sou mais o Opeth, mas é gosto pessoal, claro.

(1996) HammerFall – No Sacrifice, No Victory (2009) – País: Suécia

A “Revolução do Heavy Metal” era o que prometia o HammerFall na sua criação. E com o tempo o som deles, bastante baseado em guerras e no contexto do Power Metal foi se tornando uma das melhores bandas da atualidade. Inicialmente considerado uma fusão do Heavy Metal do Judas Priest e do Speed Metal ao estilo do desconhecido Accept, hoje eles, juntamente com o Sonata Arctica e Edguy, são as maiores representações da pluralidade do Metal. Tocando o bom e velho Power Metal, Heavy Metal, Hard Rock, utilizando melodias, corais e os temas que vão da motivação pessoal, as guerras e até as pegadas mais intimistas, o HammerFall soube captar muito bem as variações do estilos que hoje é vista em boa parte das bandas. O último álbum do grupo, “No Sacrifice, No Victory” demonstra toda a evolução da banda no decorrer de sua carreira. Abaixo vocês conferem um dos melhores clipes do ano até agora.

(1997) Nightwish – Once (2004) – País: Finlândia

O Nightwish surge como uma das primeiras bandas a utilizar o Metal Sinfônico. Muitos dos entendidos do gênero colocam a banda Therion como a responsável por iniciar o uso de sinfonias e orquestras no Metal, isso no final da década de 80, porém bandas como Stratovarius e Blind Guardian já aplicavam alguns elementos sinfônicos antes disso, sem citar os virtuoses como Yngwie Malmsteen, que desde a década de 80 se utilizavam de elementos neoclássicos para compor suas músicas. Independente disso, o Nightwish, juntamente com a banda holandesa Within Temptation, criaram um estilo único de Metal Sinfônico ao adicionarem vocais femininos líricos. Com uma temática mais sombria, fundiram elementos das bandas de Metal Gótico dos anos 80 e do início dos anos 90 para criar um formato que fez sucesso e criou diversas bandas, como Epica e After Forever, as mais conhecidas. Once (2004) foi um álbum que marcou pela mudança de temática, que com o tempo passou da mitologia e das histórias de ficção para um lado mais intimista, focado no ser humano e na melancolia. A música “Nemo” é ainda a mais conhecida do grupo, e por isso o clipe dela foi selecionado para esta lista.

(1997) Symphony X – Paradise Lost (2007) – País: EUA

Dentre as bandas do Metal Progressivo se destaca de longe o Symphony X, comandado pelo ótimo vocalista Russel Allen. Vindo das influências principalmente do Dream Theater e do Queensrÿche, as primeiras bandas que começaram a se originar no Metal com influências do Rock Progressivo do Pink Floyd, Yes, Rush e outros. O Symphony X se diferencia das outras bandas pela mescla do progressivo com música clássica. Paradise Lost (2007) é considerado um dos melhores álbuns da banda, que continua em grande evolução com a maturidade do grupo. Logo abaixo você pode conferir o clipe oficial do álbum, que foi baseado em um poema épico de John Milton com o mesmo nome. Outros trabalhos da banda também são focados na história. “V: The New Mythology Suite” fala sobre a mitologia egípcia e a astrologia, enquanto “The Odissey” fala sobre a saga histórica do grego Homero.

(1997) Rhapsody of Fire – Dawn of Victory (2000) – País: Itália

Considerada a banda que melhor retrata o uso de sinfonias em suas músicas, o Rhapsody of Fire esbanja qualidade em seu som, utilizando de uma temática bastante épica e do uso de orquestras no seu mais alto nível. Enquanto as outras bandas citadas aqui utilizam orquestrações de maneira mais comedida – normalmente misturadas com os sons característicos do Heavy Metal – vemos no Rhapsody algo diferenciado: não é a sinfonia que se mistura a guitarra, bateria e vocal, mas sim estes que se misturam a sinfonia. O som deles é considerado, por eles mesmos, como sendo “Film Score Metal” – as sinfonias do Rhapsody parecem que foram feitas como trilhas sonoras de filmes épicos. Mesmo tendo me distanciado um pouco do som destes italianos, sou um grande fã do Rhapsody, pois foi uma das primeiras bandas de metal que ouvi, eles merecem toda a consideração e não poderiam ser deixados de fora nesta lista. Os vídeos abaixo não são do álbum, mas coloquei eles por causa do Christopher Lee, o cara além de ser bom ator ainda é ótimo vocalista!

(1998) Apocalyptica – The Worlds Collide (2007) – País: Finlândia

Muitos consideram apenas mais uma banda do metal sinfônico da década de 90, mas eu digo, estes caras são geniais. Não pela qualidade do som, que francamente é de estilo bem duvidoso e não agrada a todos os ouvidos, mas sim pelo modo como o Apocalyptica resolveu fazer metal. Auto denominam seu estilo como sendo o “Cello Metal”, basicamente uma banda formada com violoncelos e uma bateria. Não seria nada fantástico, principalmente pelo fato de que no metal atualmente o vocal e as letras das músicas estão em alta e fazem cada dia mais diferença para os fãs, para ter certeza disso basta conferir as outras bandas da lista. Porém o Apocalyptica consegue fazer sua música e passar sua mensagem sem a necessidade das letras. Pelo menos até o lançamento do último CD do grupo, o “Worlds Collide”, onde você tem o prazer de ouvir os cellos acompanhados da belíssima voz de Cristina Scabbia na música “S.O.S. (Anything But Love)” ou da voz de Corey Taylor na polêmica “I’m Not Jesus”, mostrando que a banda é boa com e sem vocais em suas músicas.

(1999) Sonata Arctica – Silence (2001) – País: Finlândia

Uma das novas bandas da cena finlandesa, o Sonata Arctica é conhecido por sua fusão de gêneros e estilos. Mesmo sendo reconhecida como uma banda de Power Metal que se influenciou principalmente dos seus conterrâneos do Stratovarius, o Sonata Arctica se manteve sólido ao fugir da sombra dos vanguardistas finlandeses, e criou um som bastante característico e próprio, com músicas que variam entre o Power Metal, Progressivo, Hard Rock, Melódico e Sinfônico. Esta variedade de elementos foi uma noção praticamente nova ao Metal, onde as grandes bandas da cena dificilmente ousam ao modificar sua fórmula de música, para desespero de uma parte da sua legião de fãs.  Os temas também se mantem distantes das primeiras bandas do estilo, com algumas letras de caráter religioso e diversas músicas sentimentais. “Silence” é o meu álbum preferido do grupo, pois no meu ver une todas as características que tornam o Sonata uma banda emocionante, e também por ter “Tallulah”, uma das músicas mais intimistas do Metal atualmente.

(2000) Kamelot – The Black Halo (2005) – País: EUA

Uma banda diferenciada, das primeiras a fazer sucesso nos EUA com o ritmo do melódico. Vale lembrar que a entrada do norueguês Roy Khan foi importantíssima para a elevação da qualidade do Kamelot, que somente começou a ganhar notoriedade com o lançamento de “Siege Perilous”, primeiro álbum com Roy Khan nos vocais e na composição de músicas, em parceria com Thomas Youngblood.

O diferencial da banda foi utilizar mais melodias em sua sinfonia (enquanto o Symphony X utiliza-se da velocidade nas composições, o Rhapsody retrata um lado mais épico e o Nightwish se foca mais nos vocais líricos e no piano), em uma pegada mais intimista e levemente melancólica nas músicas. O auge do grupo veio com os álbuns “Epica” e “The Black Halo”, onde se criou todo um conceito e uma história em volta dos lançamentos, com grandes convidados como Simone Simons (Epica), Shagrath (Dimmu Borgir), Luca Turilli (Rhapsody of Fire) e Jens Johanson (Stratovarius).

(2003) Korpiklaani – Tales Along This Road (2006) – País: Finlândia

Como todas as bandas de Folk Metal, o Korpiklaani fala das lendas folclóricas regionais (neste caso as da Escandinávia). Porém eles, como também a banda Vintersorg, fogem do estilo mais enlatado do Folk. Diferentemente de bandas como Amon Amarth, Cruachan e Ensiferum (e outras dentre as mais conhecidas bandas de folk) que vieram do Black/Thrash Metal para o Folk, retratando o Paganismo, a Bruxaria e as Mitologias europeias, o Korpiklaani fez o caminho contrário, é uma banda finlandesa de folk que adaptou o seu som para o metal. Além disso os temas de suas músicas fogem um pouco da parte mitológica, estando mais próximos da vida da população finlandesa, das festas e da cultura do povo. Abaixo a música “Happy Little Boozer”, a mais conhecida do grupo até hoje.

(2004) Mastodon – Leviathan (2004) – País: EUA

O Mastodon é, sem sombra dúvidas, o carro chefe do NWOAHM (New Wave of the American Heavy Metal). Um novo ritmo que apareceu nesta década nos EUA e vem gradativamente substituindo o Nü Metal, liderado por bandas como System of a Down e Slipknot. A decadência de um estilo e a ascensão de outro é bem comum nos EUA, onde a indústria tem forte influência sobre o público. O Sludge Metal, estilo seguido por estas bandas, foi criado das fusões com o Thrash Metal, Doom Metal, Hardcore (em especial o de Nova Iorque) e o punk, trazendo um novo estilo de som para o público norte-americano, mas que ainda encontra alguma resistência no resto do mundo (esta que vai gradativamente sendo quebrada). “Leviathan” é considerado o melhor álbum do grupo. Totalmente conceitual ele aborda a história de Moby Dick, livro mundialmente conhecido de Herman Melville.

(2006) Van Canto – Hero (2008) – País: Alemanha

No meu ver o grupo mais original surgido nos últimos tempos, o Van Canto é uma banda que canta Metal a capella, tendo em sua formação apenas vocalistas e uma bateria. É fantástico, pois quando você ouve este grupo alemão, pode concluir que eles tem alguma guitarra escondida em algum lugar atrás do palco de tão realista que o som deles fica. Eu coloquei aqui o segundo álbum do grupo, que contem músicas originais e diversos covers de músicas famosas do Heavy Metal, como “The Bard’s Song – In The Forest” do Blind Guardian e “The Wishmaster” do Nightwish, esta última que você pode ouvir logo abaixo (não liguem para o vídeo, realmente é MUITO mal feito).

(2006) The Sword – Gods of the Earth (2008) – País: EUA

Um grupo fantástico que marca um novo momento para a música. Como o Mastodon, o The Sword faz parte da nova geração do Metal norte-americano, apelidado de NWOAHM (New Wave of the American Heavy Metal), uma nova geração pós System of a Down e Slipknot (o famoso Nu Metal) que está marcando uma nova mudança total no estilo.

Muita gente conhece e ouve Stoner Rock, um estilo difundido e com diversas bandas famosas, como o Queens of the Stone Age. O The Sword é uma das bandas de vanguarda que está adaptando o Stoner ao Metal, com fusões para o Doom Metal e o Heavy Metal clássico. O som é bem diferente, mas eu achei realmente interessante e um tanto chamativo, espero que ele seja difundido e tenhamos o prazer de ter este novo estilo de metal entre nós.

PS: O The Sword não faz parte da lista por estilo, mas no meu ver, eles estão igualmente como o New Wave marca ndo uma nova postura na cena musical dos EUA.

***

1- E você? Acha que alguma banda ficou de fora? Acha que a lista está uma droga e toda errada? Deixe seu comentário! Afinal ninguém é de ferro, eu sei que deixei um monte de música boa de fora…

2- Uma pesquisa idiota deve ter uma ideia idiota por trás. O Green Day foi eleito a melhor banda com nome de cor (???) pela Rolling Stone. O Hit na Rede explicou como surgiu essa ideia.

3- Novidade para os fãs do Scorpions, novo álbum da banda deverá sair em 2010, veja no Whiplash.

You may also like

26 Comentários

  • Rick
    09/07/2009 at 00:12

    a lista ficou boa, eu gosto muito de heavy metal…apesar de gostar mais de new metal!…
    Mas na minha opnião, jah q incluiram diversos estilos, não custava nada por o Slipknot ai, pq atualmente eh a banda que tem mais peso no cenário do metal…me critiquem a vontade, mas todo mundo sabe que é, e gosto eh igual a c[palavrão], cada um tem o seu u.ú

    • Diego Camara
      09/07/2009 at 14:30

      @Rick,

      Cada um com seu gosto…

      Porém eu, como muitas pessoas que curtem e entendem de metal, acham ridículo qualquer ligação do metal com bandas como Slipknot, SOAD e Linkin Park.

      Elas nunca serão metal, não obstante aos modos taxativos que alguns críticos da música resolveram colocar. (críticos americanos, por sinal)

      Pelo contrário, Slipknot foi um total atraso ao estilo, e atualmente estou feliz em ver que o tempo deles já se foi, e agora nos EUA podemos ver novos estilos surgindo de maneira realmente válida, como o Sludge, Stoner, Southern Metal e o novo Thrash de figuras como o Lamb of God que, apesar de eu não gostar, valem a pena e merecem créditos. 😉

      Vale lembrar de uma coisa: EUA não é o mundo, e o Slipknot não é “a banda que tem mais peso no cenário do metal atualmente”.

      Pelo que eu saiba, as bandas que possuem mais peso no cenário do metal atualmente são: Nightwish, Opeth, Mastodon e Lamb of God. As duas primeiras são mais fortes na Europa, as últimas são mais fortes nos EUA.

      O que prova isso? As vendas e, principalmente, os shows. Vale lembrar que o Lamb of God, no início do ano, alcançou o topo das paradas da Billboard, e o Mastodon, se você observar a turnê deles, verá que estão com mais de 70% de seus shows lotados.

  • Diego Camara
    16/05/2009 at 03:42

    @Lucas Miojo

    Não conheço taaaaaaantas bandas novas de Hard Rock, mas algumas são fantásticas…

    Dentre as que citou adoro o The Answer e o Airbourne, inclusive os dois últimos cds deles são fantásticos…

    Além desses tem o Sunstorm do Joe Lynn Turner, o Moonstone Project… bem… além do Edguy que tb anda tocando um bom Hard Rock, entre outras.

    É que atualmente é tão difícil dizer o que é Hard Rock e o que é Heavy Metal, principalmente entre as bandas, que não é fácil classificar uma banda como puro Hard Rock

  • Lucas Miojo o/
    16/05/2009 at 00:39

    Ja que fez esse post de bandas de Heavy da “nova geração” podia falar das bandas de Hard Rock, Rock’n’Roll novas também.
    Nos últimos 5 anos(mais atuais do que as desse post) me surpreendi com bandas como Black Stone Cherry, The Answer, The Parlor Mob, Theory of a Deadman, Airbourne 😀

  • Diego Camara
    14/04/2009 at 08:43

    Eu não me lembro de ter dito que aqui era uma democracia…

    O texto é meu e aqui somente colocam os comentários quem eu achar que devo. Quer ter seu comentário aceito, coloque nome e um e-mail válido.

    Não vou discutir mais contigo, passar bem…

  • Ulmo
    14/04/2009 at 00:27

    O cara nem curte metal melódico…

  • Diego Camara
    13/04/2009 at 18:20

    @cara que eu apaguei o comentário e não colocou e-mail

    Se quiser enviar um comentário no MEU texto, em primeiro lugar, coloque um nome e um e-mail válido.

    Em segundo lugar, Accept é sim uma banda desconhecida, infelizmente para a sua tristeza é sim.
    Quem conhece o Accept? Quem ouve e se diz fã da banda? Você deveria estudar melhor as pessoas que escutam metal antes de vir falar baboseira aqui. Minha constatação é simplesmente visual, é o que eu vejo e assimilo.

    Para finalizar, não quero saber que tipo de banda você diz ser Pop ou as quais não adicionam nada para a música. Para mim, pessoas como você, que tem preconceitos e um cérebro menor do que de uma formiga não são necessários. Como eu digo, o metal não precisa de pessoas como vocês, metaleiros xiitas. Se vocês sumirem da face da Terra será um benefício para a música. Vocês puxam a música para baixo, vocês desprestigiam os próprios artistas que gostam, e não são capazes de ver isto. Parabéns para vocês!

    Por último, meu perfil está neste blog. Tenho nome completo, profissão, e-mail, idade e curriculum se você estiver interessado em saber melhor o que faço. Ademais, não preciso me esconder. Acho que a criança de 40 anos, mas com mentalidade de 15 por aqui é você.

    Passar bem e obrigado pelo comentário e por me fazer lembrar que tem gente de mente fechada como você lendo este blog.

  • Diego Camara
    09/04/2009 at 03:45

    @cabessa

    Massacration!!! hahahahahahahahaha

    É isso aí!

    @Cássio Souza

    Obrigado.
    Não conheço estas, vou procurar mais informações sobre eles

    Obrigado a vocês pelos comentários, espero que alguma banda dessas seja de bom proveito!

  • Cássio Souza
    08/04/2009 at 20:37

    Otima lista, bacana mesmo, recomendo tb Insania da Finlandia, otima banda, tem um outra tb Thalion, acho que já ouviram falar ne, brasileira essa, teve ate participação do incrivel Michael Kiske, mais fizeram um album e pelo o que eu tenho noticias não fizeram outro

    Parabens pela lista, não conhecia umas..gostei das dicas

    abraço

  • cabessa
    08/04/2009 at 20:36

    faltou a maior banda de metal de todo o universo… MASSACRATION!!!!!!!!!!

  • Diego Camara
    08/04/2009 at 17:37

    @Paulo

    Porque quando eu nasci Blind Guardian já existia.
    A banda foi criada em 1984 e lançou seu primeiro álbum full lenght em 1988, ou seja são da “década de ouro” do Heavy Metal.

    Obrigado pelo comentário!

    @Brumano

    O Angra também é conhecido mundialmente. O Angra e o Sepultura, nas suas épocas de auge, eram mais reconhecidos em lugares diferentes. Isso é óbvio pois são estilos de metal completamente distintos. O Angra tem todo um som europeu puxado mais para o lado do Helloween e o Sepultura um som mais americanizado. É óbvio que os fãs de um tipo de música irão reconhecer a banda em cada um de seus estilos, mas o maior número de fãs de Power/Melodic está na Europa, e (pelo menos na época) os EUA tinha toda uma força no Thrash/Black. Não é desmerecimento, são dois moldes distintos que deram certo no Brasil em um momento da música e infelizmente não fazem mais o mesmo efeito atualmente, tanto que as os dois estilos hoje estão condenados ao underground.

    Talvez o Sepultura seja mais reconhecido que o Angra por ter sido o primeiro. Quem é o primeiro a fazer algo com qualidade é quem marca seu nome de maneira mais forte, e no final esse é o motivo dessa lista. Mostrar bandas surgidas na década de 90 até hoje que estão marcando seus nomes.
    O Sepultura já marcou seu nome também, mas não na década de 90. Começaram em 80 e seguiram durante até a primeira metade de 90.
    Pode ter certeza que se esta lista abordasse bandas mais antigas ou relevantes eles apareceriam. Eu não brinco nem bato na história, eles realmente são mais famosos e influentes e sempre serão, não importa qual banda maravilhosa apareça o Sepultura sempre será reconhecido por ser a primeira banda brasileira a fazer sucesso mundialmente.

    E merecem todo o reconhecimento pelos benefícios que fizeram no Metal Nacional, como o Angra também, em época, estilo e objetivo distinto mas com uma causa em comum.

    E adiciono mais, no meu ver o Angra foi uma evolução do Sepultura em termos de aproximação com o público nacional. O Sepultura sempre foi underground, sempre tocou para o público que gostava deles, nunca ligaram para o público brasileiro de maneira geral (fora os seus fãs). O Angra, diferentemente, tentou criar ao redor de si um cenário propício para o aumento do público, uma possível “popularização” ao agregar elementos musicais brasileiros e folclóricos a uma música que já não causava esse repúdio todo ao público brasileiro (pois vocal gutural como o do Sepultura ou você ama ou você deixa). Teve seu momento de auge e todo um cenário propício. Essa época foi ótima, foi perfeita, uma época de sonhos onde nós, fãs e adoradores do rock/metal, víamos a possibilidade de parar de ter que ouvir apenas Samba e MPB pelas ruas e poder sonhar com uma sociedade com música de qualidade no futuro, livre de Axé, Pagode, Funk e essas musiquinhas de qualidade duvidosa que hoje temos por aí.

    Ainda penso em todos os benefícios que teríamos com uma popularização do estilo no Brasil… e poderia eu sonhar, não posso? Pena, pois a realidade é muito mais dura…

    Preparem seus fones de ouvido, cada dia mais eles parecem mais necessários! hahahahahahahah

    Obrigado novamente pelo comentário!

  • Paulo
    08/04/2009 at 13:51

    Blind Guardian!! Como pôde esquecer da maior banda alemã da atualidade??

  • Jorge
    08/04/2009 at 11:47

    Ouçam esta banda – “Diablo Swing Orchestra” – podem ouvir algumas mísicas no site da banda.

  • Brumano
    05/04/2009 at 22:13

    concordo brow….

    mas ainda acho que o sepultura e reconhecido mundialmente… e não só nos E.U.A… essa dadiva eu deixo pro Max-Banguela-Cavalera.

    Um dia desses eu estava conversando com um brow meu que é Roadie e saiu pelo mundo em uma tour recentemente…

    e ele disse isso que citei anteriormente… aonde ele ia… o pessoal sempre citava Sepultura qdo se falava de Brasil…

    Existe um país na Europa que toca thrash em português… tudo por causa do Sepultura…

    Eu tbm acho o disco roots ruim… más em relação aos outros do sepultura… não acho que seja um disco que não se deva ouvir… em 96 todos pasaram por momentos unicos… o filho do max, o casamento do igor e do andreas… isso resultou nesse disco…

    mas ele e reconhecido pra caralho…

    ainda acho o Sepultura bem mais reconhecido que o Angra…

  • Diego Camara
    05/04/2009 at 19:02

    @Cassio

    Lista nunca agradou ninguém, pelo contrário, só dá dor de cabeça pra quem faz hahahahahahaha

    Em breve espero criar outra das mais antigas, aí sim vamos ver pessoas me matando aqui hahahahahahahaha

  • Pedro Turambar
    Pedro Turambar
    05/04/2009 at 15:05

    só to aqui para marcar o lugar.

    como disse o @Cassio não listas são sempre assim, mas essa eu gostei mais porque mostra bandas novas – algumas são para mim.

    então tá perfeita.

    parabéns denovo meu caro diego.

    *você acaba de me obrigar a voltar escutar metal.

  • Cássio Godinho
    05/04/2009 at 13:30

    Isso de fazer listas de bandas/musicas é realmente muito dificil.
    Impossivel todos concordarem 100%.
    Exelente post Diogo, to ouvindo o Hibria aqui, realmente muito bom. Power Metal brasileiro ta aparecendo com muita coisa boa.

  • Diego Camara
    05/04/2009 at 07:37

    @Brumano

    vamos por partes…

    O objetivo do Angra sempre foi criar um estilo de música que fugisse dos moldes underground no qual se incluíam as bandas brasileiras de metal. O Sepultura é importante sim, mas ele sempre foi e sempre será underground, como qualquer banda brasileira que toque músicas mais “obscuras”

    A influência do Sepultura é notadamente norte-americana, enquanto a do Angra é notadamente europeia.
    O Sepultura fez muito sucesso nos EUA, o Angra fez grande sucesso no Japão e em alguns países da Europa… logo não vejo toda essa superioridade em termos de influência que foi dita.

    Além disso, o Sepultura teve muito mais força no final de 80 e início de 90 com o Arise, muito mais que o Roots que foi colocado pela revista norte-americana (no meu ver simplesmente pois este álbum influenciou fortemente bandas de Nu Metal como o System e o Slipknot – não sou eu que digo, o próprio Kisser já afirmou isso em sua coluna no Yahoo!, uma mancha negra que eles terão que carregar por toda a sua história.

    O Angra foi adicionado pois cresceu na década de 90, enquanto o Sepultura entrou bem no início e praticamente morreu no meio do caminho. Além disso, o Sepultura faz parte, no meu ver, de uma geração antiga do metal nacional, e como o título já diz, eu pretendia abordar uma nova geração que foge dessa perspectiva de 80 do Iron Maiden, Metallica, Judas Priest, etc.

    Vendo os números, quantas bandas foram influenciadas no Brasil pelo som do Angra? Quantas foram influenciadas pelo Sepultura nesta mesma época? (em termos de som, não histórico). Acho que esse levantamento responde a sua questão pela escolha do Angra e não do Sepultura, mantendo devidamente o respeito que as duas bandas merecem.

    Sobre esta matéria citada, não a considero com bons olhos. É feita por um veículo de comunicação norte-americano e a lista contem praticamente só bandas dos EUA e Grã-Bretanha. Para mim uma lista dessas é de um umbiguismo clássico dos países de lingua inglesa, além de uma falta de respeito completa para a música do resto da Europa, pois parece que metal bom e influente só existe em dois países… Uma lista de bandas influentes que não coloque Helloween e Stratovarius para mim não é uma lista realmente justa. Enquanto o Metallica foi a cabeça do metal nos EUA e o Iron na Inglaterra em 80, o Helloween foi importantíssimo para criar uma cara para o metal alemão e o Stratovarius para o escandinavo. E nem citarei outras bandas que foram ridiculamente excluídas, como as primordiais de diversos subgêneros do metal.

    A minha lista não foi puxada para nenhum lado. Em primeiro lugar ela esta focada nos ritmos que surgiram com força na década de 90, como o Melodeath, Progdeath e Symphonic (se estou falando de bandas influentes da nova geração, devo não utilizar as bandas que simplesmente copiam influências das antigas, mas sim as que trazem algo novo, e todas as 15, independente do seu estilo, trazem alguma noção nova para o metal).

    O Nu Metal é uma piada mal feita que pegou em alguns lugares, principalmente nos EUA (isso auxiliou a enfraquecer a cena do metal por lá), porém, eu não vejo isso na Europa. Os EUA sofreu muito com esse lixo de Nu Metal, mas a Europa combateu ele de frente com o sinfônico, o progressivo, power e o death. Isso explica o sumiço das bandas dos EUA na minha lista na década de 90 e o aparecimento delas, “renascidas das chamas”, nos anos 2000. Tentei também nesta lista não me focar em apenas nos EUA como são a maioria e consegui dar uma ideia de como está o cenário tanto europeu quanto norte-americano no momento.

    A citação do Gojira é importante, eles tocam Prog/Death como o Opeth. Como busquei diferenciar o máximo nos estilos, preferi colocar o Opeth como representante, pois é no meu ver o mais influente.

    Sobre o Lamb of God, preferi citar o Mastodon. Se eu citasse as duas juntamente com o The Sword acho que daria atenção demais para um único estilo, logo preferi optar. Você pode me dizer que o The Sword hoje não é influente… e não é mesmo! Porém eles estão fazendo um som diferenciado, digamos que foi uma aposta minha, acho que o Stoner Metal vai ser muito forte nos EUA juntamente com o Groove e o Sludge.

    Como o Mastodon também é influenciado pelo Hardcore, coloquei ele como marco do estilo como um todo para evitar repetições desnecessárias de bandas que tocam na mesma área.

    De maneira alguma eu retiro a importância de outras bandas que sejam citadas, mas todas estas foram importantes, e serão ainda mais.
    Tentei abstrair um pouco o estilo que tocam e buscar nas músicas o que eles tem de novo e diferente.
    Cada banda citada neste texto possui uma pequena lista de bandas que também são importantes. Se formos citar todas elas não caberia em um post! hahahahahha
    Então me aguentei e tentei pincelar o melhor que pude.

    Muito Obrigado por suas colocações e realmente, todas as bandas citadas mereceriam um espaço.

  • Brumano
    05/04/2009 at 05:56

    “mas o apelo da música com o uso de histórias e sons da cultura brasileira fizeram a banda alcançar uma posição privilegiada que nenhuma outra banda de metal nacional já alcançou no Brasil”

    que isso meu camarada!
    referencia de metal brasileiro no mundo sempre foi sepultura (hoje em dia Max, banguela, Cavalera)

    Cara o disco de 1994 o angra explodiu pra caralho… eu lembro muito bem de “carry on” no Furia/HeadBanger bell da Mtv em meados de 1995… mas eu tbm me lembro dos resquicios de “Refuse/Resist”, “Territory” e “Slave New World”, passando toda hora! e em 96 foi a vez de “Roots Bloody Roots”, “Attitude” e “Ratamahatta”.

    não desmerecendo a banda…Eles tiveramo o 3ª DVD mais vendido na estoria da som livre… mas quem estourou a boca do balão aqui foi o sepultura mesmo…

    aqui e no resto do mundo né?

    http://whiplash.net/materias/melhores/052013-metallica.html

    Muito boa a sua lista!
    apesar de vc ir pro lado mais Prog metal e PowerMetal…

    Eu acho que o Metal passou por uma horrivel epoca (nu merda) e quase bateu as botas… agora esta renascendo aos pouquinhos…

    acredito que a maioria das bandas misturam Thrash, HardCore, Death e o lance mais trabalhado que vem do Progressivo.

    Faltou Gojira, Lamb of god e HateBreed.
    ProgressiveDeathmetal, Thrash/Metal e Metalcore respectivamente.

  • Diego Camara
    05/04/2009 at 04:24

    @Cassio Godinho

    Olha… não conhecia essa!

    Vi e o som é muito bom mesmo. Um belo oldschool que me fez lembrar o bom e velho Heavy Metal da década de 80.

    Eles ainda não são famosos, aparentemente não estão fazendo nada de novo, logo eu não colocaria na lista. Mas é uma ótima promessa, vou acompanha-los mais de perto. Obrigado.

    Me lembrou um pouco, em alguns momentos, a banda brasileira Hibria. Não sei se já escutou, mas se não conhece acho que irá gostar, dê uma olhada aí: http://www.myspace.com/hibria

  • Cássio Godinho
    04/04/2009 at 22:26

    Black Tide faltou nessa lista! =]

LEAVE A COMMENT

Quem?

Pedro Turambar

Pedro Turambar

Gosto de escrever, reclamar e não tenho controle sobre chorar. Escrevo há 10 anos sobre a loucura de viver em sociedade, futebol e falo bem e mal das coisas que leio, vejo e ouço.

Newsletter - ¡Desmotive-se!

Fanpage

Mais

Arquivos