A Copa do Mundo de 2010


Então… eu prometi aquele tanto de post sobre a copa, comentando as rodadas, o mata-mata e o escambau. Acabou que eu não comentei nada e nem falei o que eu quis sobre a maior e mais emocionante disputa esportiva do mundo. Não fiz nada disso em parte por preguiça, em parte porque passei – neste último mês – gastando todo o meu tempo livre ouvindo outras pessoas falando sobre a copa do mundo.

De certo modo, foi bom não ter falado nada. Porque assim como grande parte dos “especialistas” em futebol, eu iria falar uma quantidade imensurável de besteiras. Uma das coisas que falei, e que meu caro amigo @dougcastanheira fez toda questão de me lembrar foi essa aí em baixo:

Pelo visto, Andrés Iniesta não concorda comigo.

Eu poderia fazer esse texto de várias formas; comentar tecnicamente o mundial, falar sobre a emoção da primeira copa no continente africano, sobre a jaaaaaaabulaaaaaaaaaaaaannnnnnnnnnnnni, as malditas vuvuzelas, as imagens maravilhosas, os fatos marcantes, a emoção das finais, e é claro falar da grande final.

Poderia falar das decepções: Messi, Cristiano Ronaldo, Rooney, Kaká, Eto’o… França e Itália, entre tantos outros. Poderia é claro, falar das maravilhosas surpresas: A seleção da Alemanha, A seleção do Uruguai, Diego Fórlan, Thomas Muller, Mesut Ozil, Luis Suaréz, Wesley Sjneider, A seleção de Gana, Larissa Riquelme, entre tantas outras boas surpresas.

Sobre tudo isso, quero levantar apenas dois pontos cruciais que se cruzam.

Graças aos deuses do futebol o Brasil não foi campeão. Venceu aquela seleção que joga o futebol mais bonito do mundo há pelo menos 2 anos. O que eu quero dizer com isso? Vamos começar pela seleção brasileira.

Dunga e seus anões foram ganhando confiança e arrogância na mesma medida em que fazia jogos patéticos mas ganhava. De fato, ganhou tudo aquilo que não vale nada: Amistosos, Copa América e Copa das Confederações. Olimpíadas (o único título que não temos) e a Copa do Mundo, não ganhamos. Dunga e seus anões se sentiam tão cheios de si, tão certos da vitória e tão nojentos que a maioria ficou chocada, como se perder fosse impossível. Assim como aconteceu com a Holanda hoje, que só parou a Espanha na porrada.

A Holanda tinha mais futebol e mais cabeça que o Brasil. E a Espanha teve mais tudo isso que todas as outras. Bom para o futebol, bom para nossa seleção Dunga ter fracassado. Eu não queria ver a cara de satisfação dele ao ser campeão. O título mundial só iria dar razão a toda insensatez de seu trabalho.

E para terminar o papo sobre a nossa seleção, queria mandar vocês, que beijaram o saco do Dunga no episódio Cagão, à merda. Você que aplaudiu o Dunga, foi o primeiro a chingá-lo poucos dias depois. De fato, foi a única coisa boa que ele fez, não dar prioridade para a Globo. Mas lamber o saco do cara por isso, já é demais.

A Copa do Mundo sempre deixa legados, e não estou falando de estádios. Até porque, veremos daqui há uns 2 anos reportagens mostrando como estarão abandonados os estádios da Copa Africana. Estou falando de tecnologia e é claro, de futebol. Tecnologia… bem, você viu as transmissões dos jogos? Aquela câmera slow é demais, além da Spider-Cam. Tecnologias até antigas, mas que pegaram mesmo nessa copa. Todo mundo vai fazer igual.

E no futebol, bem… acho que todo mundo reparou que não falaram à toa da Espanha. A seleção joga como o melhor time do mundo, o Barcelona que cede sua espinha dorsal à fúria. A crítica que faço a Espanha é a objetividade. Como disse o Mauro Cézar da ESPN, parece que os espanhóis precisam de um documento autenticado em 3 vias liberando-os para chutar para o gol. Iniesta fez isso 2 vezes na final. Como a terceira é a que vale, ele finalmente chutou e fez o bendito gol do título.

Como seria bom se os times jogassem como a Espanha (apenas chutando um pouco mais para o gol). Por favor, copiem o estilo caros técnicos. Façam do futebol aquele jogo que vence de fato o que melhor trata a bola e não o que melhor se defende e vence pelo cansaço.

Agora, senhora Fúria. CHUTA PRO GOL PORRA!

E parabéns pelo título.

***

1 – Ótimo post do Fred Fagundes: 6 Máximas que a Copa da África deixa para o Mundo

2 – Ei Dunga, você viu aquele número 18 da seleção da Espanha. É, aquele tal de Pedro. Aquele garoto de 22 anos que nunca havia sido convocado para a seleção, aquele ali mesmo, dando o toque na bola, como titular na FINAL DA COPA. VIU? SEU MERDA, SEU CAGÃO!

3 – É isso.

Pedro Turambar

Já fui de um tudo nesta vida, mas há uma coisa que nunca deixei de ser: escritor. Escrevo para viver e manter minha sanidade em um mundo tão louco. Sou uma mistura de palavras, lágrimas e reclamações.

You may also like

4 Comentários

LEAVE A COMMENT

Quem?

Pedro Turambar

Pedro Turambar

Gosto de escrever, reclamar e não tenho controle sobre chorar. Escrevo há 10 anos sobre a loucura de viver em sociedade, futebol e falo bem e mal das coisas que leio, vejo e ouço.

Newsletter - ¡Desmotive-se!

Fanpage

Mais

Arquivos