Curriculum Vitae Humano


Olá Leitores. Au contraire do que estão achando, não morri (pelo menos eu acho). Aos novos colaboradores, olá. Nem fomos apresentados ainda. Prazer, Neto Macedo. Me afastei um pouco do blog (mas não abandonei minha cadeira aqui) porque estava abrindo uma agência. Quer dizer, ainda estou abrindo. É uma agência de publicidade e propaganda que fica em Montes Claros, no Norte de Minas (vem ni mim, pagerank). Se chama Elefantte e a história do nome é bem legal. Escolhemos o nome em homenagem ao Pedro. Pegamos o primeiro nome bizarro estranho que apareceu. Ficou Elefantte com dois tês porque com um só não estava disponível para registro de domínio.

Agora sou Sócio-diretor redator de arte de criamento (mistura de criação e atendimento) da agência junto com o Samuel Reis. Um título pomposo pra quem passa o dia inteiro dentro de uma sala quente escrevendo e correndo atrás de Deuses do Olimpo clientes.

Enfim, agora eu devo postar menos por aqui. A quantidade diminui, mas a qualidade duvidosa continua a mesma. Lá vai mais uma crônica para os leitores e um abraço para os novos colaboradores.

***

Era pobre. Definitivamente. E sobre isso não há sombra de dúvidas. Não tinha dinheiro e ainda tinha que imprimir um currículo para pedir emprego. Era do tipo que trocava o almoço pela janta. Não sabia se ia de ônibus pois, se pegasse a condução, não almoçava, e se almoçasse, ia a pé de barriga meio cheia, pois a refeição era frugal e não lhe satisfazia.

Almoçou e foi a pé. Tinha de achar uma copiadora qualquer na área central da cidade para imprimir o seu curriculum vitae, documento que, supostamente, conteria informações sobre toda sua vida profissional, que não era muito extensa, e sobre suas habilidades e aptidões. Enfim, uma farsa. Iria trabalhar como assalariado, como a maioria da cidade, para o resto da vida.

Por incrível que pareça, tinha um nome, característica que é aparentemente o sinal máximo de individualidade do ser humano. Um nome que dizia que ele, era ele, apesar de se infundir no meio da massa de pessoas caminhando às ruas da cidade, como qualquer rosto, qualquer voz, qualquer olhar. Anônimo. Homônimo. O nome era Antônio.

O calor era insuportável, e o suor já lhe escorria na testa. O barulho de carros, de gente, do centro urbano já se misturava em sua cabeça num zumbido indefinível que lhe causava asco. Suas origens eram rurais, assim como seus costumes, e não se acostumava àquela loucura. Precisava trabalhar e ganhar dinheiro para comer, para morar, para viver  e assistir às matinês de sábado. De graça nessa vida, só a morte, dizia o pai. E à lista de serviços gratuitos da vida Antônio acrescentava mais um item. A indiferença.

Entrou no estabelecimento. O calor parecia ter aumentado, talvez devido ao tamanho minúsculo do lugar, e a quantidade de computadores enfileirados em mesas. Era um daqueles novos estabelecimentos dos tempos modernos: uma lan house. Não estava cheio. Havia uma moça num canto, compenetrada na tela da máquina, e um rapaz sentado na mesa da recepção, provavelmente olhando para a tela do seu computador só por automatismo, pois já não tinha mais onde olhar. O rapaz parou e o olhou nos olhos:

– O que o senhor deseja?

Perguntou o preço da impressão. O seu olhar era humilde e fitava o chão. Tinha 63 centavos e rezava para que o preço não passasse desse valor. O rapaz olhou o arquivo. Tinha três páginas.

– Olha moço, isso aqui fica a um e cinquenta.

Um e cinquenta. O preço do ingresso na concorrência de um emprego. Só que Antônio não conhecia uma coisa. Coisa que só foi compreender quando saiu da loja com o currículo em mãos. Seres humanos se compreendem. Um olhar diz muita coisa. E foi por causa dessa característica intrínsecamente humana que Antônio viu nos olhos do rapaz uma compaixão plena, um olhar de quem sabia o que se sofre para conseguir trabalhar. E o rapaz viu nos olhos de Antônio a dor e o sentimento de impotência perante a vida, perante a incapacidade de alcançar dignidade. Num gesto de cumplicidade, o rapaz se aproximou de Antônio:

– Quanto você tem? – perguntou, adivinhando que Antônio não possuía a quantia.

– 63 centavos.

– Faz o seguinte. Eu te faço aqui a impressão, você me dá o dinheiro que você tem, e a gente deixa por isso mesmo.

Antônio entregou as moedas ao rapaz, recebeu o papel que supostamente continha sua vida impressa e agradeceu. Saiu pela porta, não sem antes levar discretamente a bolsa de uma das clientes. Nessa vida, nada é de graça. E a riqueza não passa incólume à pobreza.

Curriculum Vitae Humano

***

1 – Saí da fase da violência e do sexo e fui para a fase das mazelas sociais. Esperem eu voltar a ler o Rubem Fonseca que eu arrumo um machado manchado de sangue e prostitutas pra enfiar nessa história.

2 – Eu tenho um formspring. Só não vale perguntar de propaganda. AQUI.

3 – Só pra ter certeza. Google, você pegou a URL da minha Agência de Propaganda e Produtora? Obrigado. ^^

You may also like

25 Comentários

  • Neto Macedo
    10/03/2010 at 19:52

    Opa! Obrigado Thata. Muuuuito tempo quanto? 😉

    E obrigado pelo boa sorte, vou precisar. =)

  • Thata
    10/03/2010 at 17:28

    Ótima crônica, como sempre..!
    Saiba que acompanho seus textos à muuuito tempo, e pelo jeito continuarei acompanhando 😀
    Ah, boa sorte na Elefantte 😀

    (Obs.:The Big Bang Theory Forever! xD hauha)

  • Dias
    21/02/2010 at 23:42

    Neto, vc é um cara q tem as manhas em escrever crônicas boas e q surpreendem no final

    nessa, primeiro a impressão é de q algo de ruim será jogado contra a sociedade individualista q temos, após isso, uma virada na jangada e mostra um lado bom e bonito de algumas pessoas. Pra terminar, qnd vc pensa q vai dar td certo, naquele estilinho “hoolyhoodiano” mostra o lado malandro e sem honestidade de grande parte da nossa populaçao =/ uma pena q seja uma crônica tão condizente com a nossa realidade

    de qualquer forma, mais uma vez vc esta de parabens

    bom, pra finalizar, td de bom nessa nova empreitada sua ae
    q td de certo pra vc
    =]

    e falar q elefantte foi em homenagem ao grande pedrão foi sacanagem
    hauhauhauhauhauhauhaa

    []’s

    • Neto Macedo
      22/02/2010 at 13:31

      @Dias, que bom que surpreendeu no final, essa era intenção. Obrigado pelo comentário Dias. =)

  • Ravi Freitas
    29/01/2010 at 22:22

    Muito bom (como sempre). Tento escrever coisas assim mas se não acabo puxando pro humor acabo indo pra tristeza total. Parabéns pelo texto

    E quanto a primeira observação, imagino o que Rubem Fonseca + Bukowski não fariam com você…

    • Neto Macedo
      22/02/2010 at 13:31

      @Ravi Freitas, Rubem Fonseca é gênio cara. Muito bom ele.

  • Pedro Turambar
    Pedro Turambar
    29/01/2010 at 20:50

    precisa falar alguma coisa?

    não não

  • demo.
    29/01/2010 at 16:05

    Cara que foda.
    Parabéns ai.

  • Nathalia
    29/01/2010 at 14:15

    Nunca havia lido nenhuma de suas crônicas, apesar do pessoal sempre fazer alusões boas a respeito do que você escrevia.
    Hoje tive a 1ª oportunidade de ler uma de suas criações e, realmente a humanidade é desumana, enquanto alguns acham que estão fazendo caridade, outros aproveitam dessa “caridade” para se dar bem, mas claro, nada pessoal… a sobrevivência é uma coisa individual e cada um se vira como pode. Mas ao final de tudo, todos nós somos “Curriculum’s Vitae’s” ambulantes impressos contendo a nossa suposta vida.

  • kavalinhu
    29/01/2010 at 12:08

    Suas crônicas são fodas velho, ja cansei de falar isso aqui. Boto fé demais!

    • Neto Macedo
      22/02/2010 at 12:50

      @kavalinhu, valeu pro ser um leitor sempre presente cara. E obrigado por gostar. =)

  • murilo
    29/01/2010 at 09:07

    Gostei bastante da crônica. Já tentei escrever textos de violência, mas não sou exatamente um gênio na arte de narrar.

    • Neto Macedo
      22/02/2010 at 12:13

      @murilo, é fácil. Escreva sobre um cara andando na rua. Ele é tranquilo e anda assoviando. De repente ele puxa um facão, sai correndo atrás de uma muler, racha a cabeça dela no meio e o sangue suja a parede do lado e ele estupra ela morta.

      Pronto, você escreveu um texto violento. Hehehe. =)

      Obs: não, não sou psicopata.

  • José Roberto
    29/01/2010 at 03:12

    Muito bom.

LEAVE A COMMENT

Quem?

Pedro Turambar

Pedro Turambar

Gosto de escrever, reclamar e não tenho controle sobre chorar. Escrevo há 10 anos sobre a loucura de viver em sociedade, futebol e falo bem e mal das coisas que leio, vejo e ouço.

Newsletter - ¡Desmotive-se!

Fanpage

Mais

Arquivos