Dossiê Iron Maiden . As melhores capas do Iron Maiden


Acho que não preciso vir aqui declarar meu amor por capas de álbuns. Todo fã de metal – e alguns de rock – adoram imagens de capa. Os desenhos das capas dos álbuns não são qualquer coisa, não são idiotas e nem inúteis, eles sempre estão lá para alguma coisa, sempre tem um motivo, uma lógica com o tema do álbum, uma singularidade com seu conteúdo ou com o estado de espírito da banda, as vezes passam até por si mesmas mensagens, como a clássica “Holy Diver” do Dio, sem dúvida nenhuma uma das capas mais fantásticas do metal de todos os tempos.

Eu poderia passar horas e horas escrevendo um texto falando o quanto as capas são importantes em um álbum de verdade para nós fãs de metal, mas acho isso completamente desnecessário. Quem ouviu metal uma vez na vida e teve a chance de pegar um álbum nas mãos e observar bem a capa dele enquanto ouve a música sabe do que estou falando. Se você curte Calypso ou qualquer tranqueira velha com capas onde só aparecem a cara dos músicos, você nunca irá entender como a arte de capa faz a diferença. Aqui no Brasil as capas nunca foram muito exploradas em sua totalidade.

eddie

No caso mais específico do Iron Maiden, as artes de capa trazem emoção, vibração, sentimento, elas quase chegam, em alguns álbuns, a falar com você! E não, não estou ficando louco, ok? Aquela capa conversou comigo, tenho certeza!

Este é um artigo duplo, como aqueles ótimos álbuns ao vivo. Neste primeiro texto irei falar sobre as minhas capas preferidas, uma pequena viagem sobre a história do grupo britânico entre as capas de seus álbuns, singles, ao vivos e coletâneas, e no outro vou mostrar como os fãs de metal são diferenciados e adoram não apenas a música, mas o conjunto completo do álbum. Chupa indústria fonográfica!

Fique então com as melhores capas do Iron Maiden.

Running Free (1980)

01RUNNING FREE

A capa do primeiro single do Iron em 1980, dois meses antes do lançamento do debut “Iron Maiden”. A imagem foi feita já por Derek Riggs, criador de Eddie, um dos maiores mascotes do Heavy Metal de todos os tempos.

A imagem mostra um beco para onde corre uma pessoa – aparentemente um Headbanger – para as mãos de Eddie. No fundo, escrito na parede, estão os nomes de algumas das maiores bandas de sucesso da época (dá para se ver claramente o nome do Scorpions, Led Zeppelin, AC/DC, Judas Priest, um King (King Crimson?), entre outros.
Nada mais do que o chamado: “Venham para o Maiden, fãs do rock!”

The Number of the Beast (1982)

album_iron_maiden_number_of_the_beast_ironmaidenwallpaper.com

Em 1982 foi lançado o álbum que daria toda a fama internacional ao Iron Maiden, que já havia conquistado nos seus dois primeiros álbuns uma boa fama em países como Suécia e Noruega, além do Reino Unido. O que se pode esperar do álbum mais polêmico de todos os tempos em termos de capa? A mesma polêmica.

A capa causou uma repercussão enorme na mídia internacional e criou aquela velha história da ligação da banda com o demônio (bla bla bla). Ela mostra claramente Eddie dominando o diabo por meio de cordas de marionete, enquanto também, ali embaixo, é dominado. O objetivo da banda era mostrar as influências que as pessoas sofrem em suas vidas – você domina e é dominado, pelo bem e pelo mal, todos os dias de sua vida.

A capa do single “Run to The Hills”, deste mesmo álbum, tem o mesmo objetivo. Nela é mostrado Eddie confrontando o diabo em meio a um vale cheio de conflitos lá embaixo. A capa do single “Number of the Beast” traz a vitória de Eddie, carregando a cabeça do diabo, declarando sua vitória contra as “forças do mal”.

The Trooper (1983)

single_iron_maiden_trooper

Este single, que já faz parte do famoso álbum “Piece of Mind”, pode ser considerada uma das jóias do Iron Maiden. A imagem dela, do guerreiro, com a morte em suas costas e os corpos mostra bem a vida de um soldado, do genocídio e da destruição da guerra, realmente unida ao conceito da música.

A capa também imortalizou um gesto famoso de Bruce Dickinson com a bandeira britânica em mãos, coisa qual ele faz em boa parte dos shows por onde passa. Eles tem orgulho de suas origens, e com esta capa fizeram questão de retratar isso para todo o mundo.

Powerslave (1984)

powerslave

A capa preferida de Bruce Dickinson e Dave Murray não poderia ficar de fora. “Powerslave” é um álbum fantástico, e o desenho de sua capa representa a imponência do Império Egípcio, com um grande simbolismo histórico facilmente perceptível, afinal uma capa destas, apresentando um dos grandes impérios da história da humanidade, um povo imponente, grandioso, e um título de “Escravos do Poder”, você deve imaginar onde estou tentando chegar, não?

Fora isso, também é meu desenho preferido, os detalhes, cada centímetro foram desenhados com técnica precisa, desde a imponente pirâmide até os sacerdotes que carregam o que parece ser o sarcófago de um poderoso faraó logo abaixo.

2 Minutes to Midnight (1984)

iron-maiden-2-minutes-to-midnight-cover-riggs

“Powerslave” é um álbum tão forte que merece dupla citação. O single “2 Minutes to Midnight” – diga-se de passagem, uma das minhas músicas preferidas – apresenta uma capa cheia de simbolismos. A guerra fria, o medo nuclear e a bipolaridade entre comunismo X capitalismo estão presentes nela com grande força.

As bandeiras apresentadas (na extrema esquerda a União Soviética, a terceira o Iraque, depois mais ao fundo há o Reino Unido, Estados Unidos, Israel e no fundo Cuba), mostram bem o teor político da música, que fala sobre o Relógio do Apocalipse e os testes nucleares de 1953, quando o relógio atingiu o ponto mais próximo da meia-noite (2 minutos faltando). Eddie faz uma posição já bem conhecida e famosa, do Tio Sam na recruta por soldados (o famoso cartaz “I Want You to the U.S. Army”).

O horário também é mostrado na capa de outros dois singles do grupo. Em “Wasted Years” e “Stranger in a Strange Land”, os dois do sucessor de “Somewhere in Time”, há dois relógios. O primeiro marca o horário 23:58 (canto inferior direito), e o segundo marca 11:58 (no fundo, ao lado do ombro de Eddie).

Somewhere in Time (1986)

art_somewhere_in_time

A capa preferida do baterista Nicko McBrain e do baixista Steve Harris, a imagem futurista de “Somewhere in Time” realmente chama a atenção pela perfeição do desenho, mostrando, juntamente com a do “Powerslave” a evolução do desenhista Derek Riggs.

Ela parece apenas um desenho legal sem nenhuma ligação, mas olhe bem no lado direito, não é a capa do álbum “Iron Maiden”? Escrito por cima dela ainda está “Eddie Live”? (pelo menos é o que parece) E logo acima não temos o nome Acacia, referência à música “22 Acacia Avenue” do “Number of the Beast”?

Bring Your Daughter… To The Slaughter (1990)

bring_your_daughter_to_the_slaughter_2

O único single da banda que alcançou o topo das paradas do Reino Unido. Uma parte do sucesso desta música se deu pelo filme “A Hora do Pesadelo 5: O Maior Horror de Freddy”, pois ela foi gravada por Bruce especialmente para a trilha sonora do filme.

As referências na arte de capa são enormes, tantas que muitas eu sequer consegui saber de onde vem. Visível é o simbolo do Batman na lua ao fundo, o que parece ser o Geleia dos Caça Fantasmas no chão, o diabinho com medo do pôster do Iron atrás na parede e um personagem do Vila Sesamo (desenterrei esse!) na lata do lixo no canto direito, além do fato de que ele está abraçando a Jéssica Rabbit, morram de inveja.

Rock in Rio (2002)

Iron_Maiden-Rock_In_Rio-Frontal

Essa capa está aqui mais pela sua importância que por sua estética. A fusão do palco do Rock in Rio com a face nos céus do “Brave New World” é algo que mostra domínio, controle.

Não preciso ficar aqui dizendo o quanto esse show foi importante, sem dúvidas quem assistiu (eu não tive o prazer, infelizmente) deve saber bem o que foi. Está escrito na história, e dela ninguém tira.

Interessante reparar que, com a saída de Bruce, Derek e a chegada de Blaze, as capas do Iron Maiden conseguiram ficar péssimas e horrorosas. A era sombria da banda, da qual muitos dos fãs sequer querem acreditar que tenha existido, também não pode ser marcada por qualidade nas artes de capa.

The Reincarnation of Benjamin Breeg (2006)

single_iron_maiden_reincarnation_of_benjimin_breeg

Este single, lançado no último álbum do grupo, trouxe um grande mistério. Nele Eddie escava o túmulo de Benjamin Breeg, onde está o epitafio: “Aici zace un om despre care nu se ?tie prea mult“, sentença em romeno que significa: “Aqui jaz um homem de que pouco se sabe”.

Ninguém sabe bem quem seria o tão misterioso homem, e os integrantes do Iron dizem que os fãs tem que descobrir por si. Algumas teorias podem ser encontradas no Whiplash e no Cifra Club. Seria Benjamin Breeg o ex-vocalista do Maiden, Paul Di’Anno?

Somewhere Back in Time (2008)

album_somewhere_back_in_time_iron_maiden

Seria o retorno às raízes? A arte de capa desta coletânea une realmente o melhor do Iron Maiden (os maiores clássicos da banda da década de 80).

Não poderia faltar na capa as duas melhores artes da banda da mesma década, além de resgatar os desenhos de capa que fizeram tanto sucesso e que sumiram por mais de 15 anos (as capas do Maiden andam sofríveis, o último álbum ainda deu para engolir, mas não é a mesma coisa). No final, o “Somewhere Back in Time”, a turnê fantástica e o “Flight 666” enchem o público de esperança para o novo álbum em 2010, que conforme disse Nick McBrain, baterista do grupo, afirmou em entrevista.

E você? O que acha das artes do Iron Maiden? Tem alguma preferida? Está apreensivo para o próximo álbum? Acha que faltou alguma capa importante nesta lista? Deixe seu comentário!

***

Assine o Feed do Crepúsculo

1- Você quer ver as outras capas dos álbuns? Passear pelos desenhos em alta resolução? O site Iron Maiden Wallpapers possui todas as capas da banda em alta qualidade – dentre elas as colocadas neste artigo. Só visitar a sessão de singles e álbuns.

2- Em uma entrevista concedida em 2008, Derek Riggs falou um pouco sobre seu trabalho com o Iron Maiden e como surgiu Eddie. A tradução desta entrevista pode ser vista no Whiplash.

3- Na época do show do Maiden aqui no Brasil, o G1 criou um joguinho no qual o objetivo era encontrar o desenho de assinatura de Derek em diversas capas da banda.

4- Em uma entrevista concedida este mês, o baterista Nicko McBrain falou como começou a ideia para o filme “Flight 666”. Veja aqui. (observe o número da matéria no endereço… estou com medo e mandarei arredondarem ele)

You may also like

29 Comentários

  • Mago 666
    27/01/2013 at 13:07

    IRON MAIDEN VAI TE PEGAR! HAHAHAHAHAHAYHAHAHAHAHAHAHA

  • André Moschen
    02/10/2012 at 13:05

    Com um som desses nem precisava de capa! Acrescente as (lendárias) capas e o Iron Maiden passa a ser uma das maiores bandas da história.

  • john
    17/03/2011 at 16:19

    eu gosto muito da do Brave new world de 2000.
    mostra uma londres futurista com o olhar do eddie sob as nuvens
    é a capa mais "adulta" por assim dizer

  • Gustavo
    06/12/2009 at 14:44

    Eu comecei a curtir iron a pouco tempo, to pesquisando muito sobre a banda inclusive as artes das capas. tem gente que não gosta de iron porque acha que fala sobre coisas fantasiosas (algumas até são mas deixam mesnagens da vida real) e por causa das capas dos albuns e singles e do eddie também hehe… acham que é coisa de criança. mas pô essas capas não são só os desenhos bem feitos do derek. essas capas estão cheias de coisas interessantes pra mostrar, muito mais interessantes do que ver o chimbinha segurando uma guitarra achando que sabe tocar e a joelma com aquelas roupas ridiculas e com uma cara de mulher de cabaré!
    Bring Your Daughter… To The Slaughter (1990) foi a capa que eu mais gostei. achei muito engraçado o diabinho com medo do eddie rsrs eu saquei a parada.

  • atecubanos
    21/07/2009 at 21:37

    Iron Maiden é Iron Maiden…….e estara sempre nos corações e nas mentes dos fãs………………parabens pelo otimo dossié elaborado………

  • Diego
    16/06/2009 at 23:16

    Pra min faltou umas das melhores que eh aquela que o Ed está saindo do túmulo Live after death.

    • Diego Camara
      17/06/2009 at 17:30

      @Diego,

      A capa do melhor CD ao vivo da banda já lançado.

      Mas para nós, sem dúvidas, o ao vivo mais marcante foi o Rock in Rio, por isso preferi colocar ele. Claro que, se fosse só pelos clássicos selecionaria a “Live After Death”.

      Mas é uma belíssima adição sem dúvidas

  • Sidewinder
    16/06/2009 at 22:40

    Cara, muito legal esse dossiê. Lembro quando eu ficava buscando os detalhes nas capas dos discos de vinil, principalmenta a do Somewhere In Time, que eu acho que foi a que deu mais trabalho ao Derek. Não sou um headbanger, mas achei os últimos discos muito fracos. Mas mesmo assim, é a banda de metal que eu mais curto. UP IRON!

    • Diego Camara
      17/06/2009 at 20:31

      @Sidewinder,

      Também achei os últimos discos não tão bons quanto os mais novos, principalmente desde o “Brave New World” a banda não encontrou mais o seu caminho direito.

      Espero que em 2010 eles encontrem o caminho que perderam, acho que a nova turnê e o Flight 666 foram muito motivadores para a banda.

  • Marcelo
    16/06/2009 at 21:25

    Eu tive o vinil do Somewhere in Time. Essa capa, prá mim, não é só a melhor já feita, mas ela é (e isso é fato) riquíssima em detalhes. Quem conseguir achar um vinil desses (a capa de CD é muito pequena), e olhar com *bastante* cuidado, vai perceber o que eu tô dizendo.

    • Diego Camara
      17/06/2009 at 20:27

      @Marcelo,

      Realmente.

      No meu ver ela e o Powerslave são as melhores e mais bem desenhadas de todas.

      A do Somewhere ainda fica mais bonita se incluir a contra-capa, que é fantástica também.

      As imagens colocadas aqui estão em altíssima resolução, só clicar nelas e ampliar. O site que eu deixei no final tb tem capas em alta resolução, dá para ver todos os detalhes 😀

  • Anna Clara
    16/06/2009 at 17:02

    gostei muito dessa arte Bring Your Daughter… To The Slaughter (1990).. fiko ótimaa

    • Diego Camara
      17/06/2009 at 20:29

      @Anna Clara,

      Ela é ótima e nos lembra de coisas antigas da época…

      Como eu não sou dos tiozões fico meio perdido nos detalhes, mas os britânicos mais velhos devem saber tudo o que contem nela!

  • Hugo Meira
    13/06/2009 at 03:42

    Não tem como escolher uma só arte, já que todas são bem feitas demais…

    A grande sacada do Iron Maiden foi o mascote Eddie, que no começo parecia horripilante, mas que se tornou símbolo de animação nos shows…

    Mais um artigo do exímio escritor Diego =D

    • Pedro Turambar
      Pedro Turambar
      13/06/2009 at 04:07

      @Hugo Meira,

      Apoiado! Apoiado!

      eu não vou nem comentar sobre o post.

      O Diego dá aula de como postar em um blog toda vez que escreve.

      e tenho dito

    • Diego Camara
      13/06/2009 at 05:11

      @Hugo Meira,

      Destas são… mas o Iron Maiden tem muitas artes ruins e péssimas.

      As artes da capa do Maiden acompanham a carreira do grupo. Tem aquela cara meio punk nos dois primeiros álbuns, no auge ela é forte e chama atenção, na decadência do grupo ela dá medo de tão ruim. Quando volta o Bruce e temos o “Brave New World”, o Iron começa a se recuperar, mas vai devagarzinho. Quando chega no “A Matter” em 2006, você vê que o grupo ganha novamente um fôlego mesmo, o Iron começa a encontrar o caminho no meu ver, e a última arte, o “retorno as raízes” é uma mostra do que me faz desejar ardentemente pelo álbum de 2010.

      O Maiden evoluiu, experimentou, buscou novos caminhos, está pronto agora para arrasar de novo 😉
      Pela empolgação deles em começar a compor músicas o mais rápido possível – o álbum seria só para o final de 2010 ou 2011 e eles tem planos agora para lançar o novo CD no início do próximo ano – tenho certeza que eles tem algo na manga.

      • victor
        15/12/2010 at 14:52

        vai toma no seu cu fdp
        lava a boca antes de pronunciar o no iron maiden

      • Bruno
        26/07/2011 at 00:46

        fdp nao sabe oq fala fica quieto caralho aki é IRON MAIDEN PORRA independente do que eles foram eles sao fodas e vc e uma merda fmz?

LEAVE A COMMENT

Quem?

Pedro Turambar

Pedro Turambar

Gosto de escrever, reclamar e não tenho controle sobre chorar. Escrevo há 10 anos sobre a loucura de viver em sociedade, futebol e falo bem e mal das coisas que leio, vejo e ouço.

Newsletter - ¡Desmotive-se!

Fanpage

Mais

Arquivos