Precisamos falar sobre pinto

29 June 2015

Precisamos falar sobre pinto

Antes de tudo, vamos estabelecer alguns fatos sobre o pinto:

Nossa sociedade é extremamente falocentrista.

Pelo fato de ser uma sociedade predominantemente controlada — com rédeas curtas — por homens. E não tem nada que homem ama mais que o próprio pau. Como diria o eterno mineiro em Serra Pelada, ao ser perguntado o porque de estar ali “Pá cumemuié, uai!”

Nossa sociedade é extremamente incentivadora em relação a pintos.

Lembram da história da menina, MC Melody? A menina levantou a questão da erotização de meninas no mundo do funk e seus pais estão sendo processados, podendo perder a guarda da menina. Ao mesmo tempo, ninguém questiona o fato de MC Brinquedo, MC Pikachu, Zé Bolinha ou quaisquer que sejam os nomes, falarem de seus pintos, das ~bocetas~ das novinhas e que elas querem pau. Crianças não deveriam saber sobre sexo (ainda mais dessa forma explícita), MUITO MENOS CANTAR SOBRE ISSO.

Apesar de adorá-los, homens tem pavor de pinto.

Proponho aqui o Teste de Bolsochel — em homenagem ao de Bechdel. O teste, em homenagem ao maior “machão” (e idiota) brasileiro vivo, o Sr. Bolsonaro, consiste em encontrar, na vida real ou no entretenimento, dois homens heterossexuais conversando sobre seus pintos ou, porventura, sobre o pinto de outros. Conseguiu pensar em algum? Se sim, por favor, me diga nos comentários. A única exceção, talvez, sejam as conversas sobre um amigo, primo, que porventura tenha a piroca enorme. Aí, em grupo, os homens falam rindo sobre o assunto. O que é bizarro — mesmo que compreensível –, já que o ser humano se sente bem ao fazer graça das coisas que inveja.

Ame-o e passe-o em absolutamente tudo.

Em suma, somos tão adoradores do pinto que achamos loucura o fato de ninguém simplesmente amá-lo como nós. Especialmente as mulheres. Oras, como é que ela, só de olhar para mim, não explode em desejo de cair de boca. Que ultraje é esse! Quero meu dinheiro de volta! Me prometeram que meu pinto é o personagem principal desse mundo perdido! Quero respostas. AGORA!

Com a palavra, a genial Jout Jout

Ensina-se o menino a passar o pinto em tudo, como se fosse canudinho de nutella, mas não o ensinam a lavar a porra do pinto (pun intended). A Sociedade Brasileira de Urologia que o diga, com essa ótima campanha, estrelada pelo Zico. A nossa lógica, muitas vezes, é completamente ao contrário, como por exemplo o fato de que apenas 0,002% da população mundial masculina lava a mão ANTES de urinar em banheiros públicos. Pense por um segundo a quantidade de lugares que você botou a mão em um shopping, por exemplo, antes de fazer xixi. Agora pense em todos esses germes indo direto da sua mão para seu amado pênis (significa pinto, só que falado por um médico).

Antes de comprar carros enormes para compensar algum complexo que, por sinal, só existe porque ninguém fala de pinto e porque as pessoas (maioria homens) aprendem sobre sexo vendo filme pornô, devíamos de fato falar mais sobre pinto. Sobre como nós homens não temos o direito de botá-lo aonde quisermos. Sobre como nós temos que parar com essa história de ter medo/nojinho da menor menção do falo de outrem. Sobre como deveríamos nos sentir envergonhados por pensar que o universo, a vida e tudo mais gira em torno dele.

1

Criei esse blog em 2007 para me incentivar a escrever uma saga que eu daria o nome de O Crepúsculo. É, pois é. Tudo mudou e hoje uso o blog para falar mal de coisas, usando meu dom divino de ser chato para car*&$#%.

  • rafabarbosa

    Seth Rogen e James Franco em “This is the End”.
    Michael Cera e Jonah Hill em “Super Bad”.
    Seth Rogen e Jason Mewes em “Zack and Miri make a Porno”.

    Rafael Barbosa sobre o samango de Pedro Turambar “nesse post”.

    Citei vários exemplos que passam nesse teste. E sim, acho válido acabar com esse tabu sobre falar do pinto.

%d bloggers like this: