Music is Very Porreta // 10 músicas para você curtir o Halloween

A combinação do Halloween e o heavy metal é um belo casamento feito no inferno. Desde o início do século XX, uma indústria inteira foi construída em torno da data de 31 de outubro. Quer se trate de livros, filmes, a indústria milionária de fantasias, o Halloween fez um monte de pessoas ricas. Os músicos acharam infinitas inspirações na imagem sombria desta data, e lendas e alguns dos maiores artistas do heavy metal também não ficaram de fora.

10 músicas para você curtir o Halloween

Para ajudar na celebração desta data, o site Noisecreep colocou no ar uma lista de 10 músicas de metal para o Halloween que eu assino embaixo! Confira:

HELLOWEEN – “Halloween” do “Keepers of the Seven Keys, Pt. One” (1987)

O quinteto alemão é uma das bandas mais adoradas do gênero. A saga do “Keeper of the Seven Keys” fez deles uma das maiores bandas de power metal de todos os tempos. Inspirado por músicas como “Rime of the Ancient Mariner” do Iron Maiden, o Helloween escreveu essa música de 13 minutos. Apesar de ser um clichê para um jornalista de rock, a palavra “épico” se encaixa perfeitamente na música. Os vocais de Michael Kiske são a cereja do bolo, mas o time de guitarras formado por Kai Hansen e Michael Weikarth são os heróis desta canção.

THE MISFITS – “Halloween” do single “Halloween” (1981)

Ok, o Misfits não é exatamente metal, mas a influência desta banda em grupos como o Metallica não pode ser negada. No dia do Halloween em 1981, o grupo lançou o single “Halloween” e a música teve uma vida longa e ilustre na coleção de discos de muitos músicos. Há algo positivamente assustador nos vocais de Glenn Danzig e nos riffs de guitarra de Bobby Steele. Essa música ainda merece um espaço dentre os clássicos do 31 de outubro.

KING DIAMOND – “Halloween” do “Fatal Portrait” (1986)

Tudo em Kim Petersen cheira a esta data. Mais conhecido por King Diamond, o Halloween é o pano de fundo perfeito para o metal deste dinamarquês. “Halloween” é parte do primeiro álbum solo do vocalista do Mercyful Fate, “Fatal Portrait”. Ela tem um pouco de hard rock nos vocais contagiantes e no ritmo, mas a letra é o que coloca esta música na lista. A aberta com a frase “Every night to me is Halloween” (Toda noite para mim é Halloween) diz tudo, e se você conhece a extensa discografia de King você sabe o que ele quis dizer com isso.

ENTOMBED – “Left Hand Path” do “Left Hand Path” (1990)

No início da década de 90, Uffe Cederlund e Alex Hellid eram como KK Downing e Glenn Tipton do death metal. O jovem dueto de guitarristas do Entombed trouxe um maligno riff atrás do outro. “Left Hand Path”, a música de abertura do álbum de estreia com o mesmo nome, introduziu boa parte do mundo do metal ao death metal. A primeira metade da canção serviu de modelo para grande parte da cena do metal sueco durante os anos que se seguiram, mas é o final da música que fez com que ela entrasse na nossa lista. Na marca de 3:38, a canção se rompe e um coro de gritos maníacos, e isso é apenas o começo das coisas boas! Alguns segundos depois a banda entra no tema do filme cult de terror “Phantasm” de Fred Myrow. Escutar as guitarras de Cederlund e Hellid durante o refrão é um prazer puramente assustador.

ALICE COOPER – “Welcome to My Nightmare” do “Welcome to My Nightmare” (1975)

Para alguns dos leitores mais jovens, Alice Cooper pode ser apenas um cara velho que joga golfe e “era cantor ou algo do tipo”. Apesar do nativo de Detroit ter atenuado sua imagem pública nos últimos anos, você não deve subestimar o trabalho de Cooper na década de 70. Álbuns como “Killer” e “Billion Dollar Babies” ajudaram a dar nascimento a um estilo de rock que seria adotado por incontáveis bandas em torno do globo. A música título do “Welcome to My Nightmare” é cinemática em sua produção, letras e vocais. Ela é como uma versão de áudio de 5 minutos de um daqueles filmes clássicos de horror do Reino Unido. Golfe ou não, essa música ainda provoca arrepios!

BLACK SABBATH – “Black Sabbath” do “Black Sabbath” (1970)

Em três notas simples, Tony Iommi criou algo mais assustador do que qualquer coisa que George Romero ou Thomas Harris jamais inventaram.

SLAYER – “Dead Skin Mask” do “Seasons in the Abyss” (1990)

O serial killer Ed Gein foi a inspiração de incontáveis filmes, livros e programas de televisão. Já foi dito que os ícones Norman Bates e Leatherface foram baseados nesse infame maníaco real. Durante os anos, o medonho assassino também alimentou o trabalho de muitas bandas de metal. De todos os artistas do mundo que se influenciaram na história dele, “Dead Skin Mask” do SLAYER é a que chega mais próxima da mística mortal de Gein. Os riffs de guitarra na introdução dão o tom e os vocais quase monótonos de Tom Araya selam o acordo, mas há uma outra seção na canção que leva ela a um novo nível de depravação. Até a conclusão da música, a voz de uma garotinha aparece do nada pedindo por misericórdia. Aqui estamos há quase 20 anos e “Dead Skin Mask” ainda soa descomunal tanto quando ela apareceu pela primeira vez na loja de discos local.

DIMMU BORGIR – “Progenies of the Great Apocalypse” do “Death Cult Armageddon” (2003)

Os vocais de Shagrath nesta música soam como se sua garganta estivesse sendo cortada por um milhão de bisturis enferrujados, mesmo assim ainda há uma beleza ímpar na maneira que eles vem juntos da instrumentação maligna da banda. “Progenies of the Great Apocalypse” é uma grande peça do black metal sinfônico e deve estar em qualquer playlist do Halloween.

IRON MAIDEN – “Fear of the Dark” do “Fear of the Dark” (1992)

Ninguém poderia compor uma canção de metal como Steve Harris. O baixista e principal compositor do Iron Maiden foi responsável por sagas essenciais como “Seventh Son of a Seventh Son”, “Sign of the Cross” e a já mencionada “Rime of the Ancient Mariner”. Esta música, do álbum de 1992 do Maiden com o mesmo nome, é um dos momentos mais sinistros dos robustos ingleses. Com 7 minutos, “Fear of the Dark” se tornou um dos pontos altos dos shows ao vivo da banda nos últimos anos.

MORBID ANGEL – “God of Emptiness” do “Covenant” (1993)

Os tons de guitarra de Trey Azagthoth poderiam fazer ele estrear seu próprio filme de horror. A dissonância tensa e assombrosa sempre foi um dos focos dos lançamentos do Morbid Angel. Em “Gof of Emptiness”, o riff principal de Azagthoth soou como um gárgula rastejante, enquanto os vocais de David Vincent evocam imagens de terror e sofrimento. Eles certamente fizeram seus nomes por causa do material rápido, mas essa música lenta é o single mais macabro do grupo.

***

1- Baseado neste artigo do site Noise Creep.

2- Estarei cubrindo os shows do Dragonforce no dia 8 de novembro e do Korpiklaani no dia 15 de novembro pelo Whiplash!

3- O show do Stratovarius foi ótimo! Quem não foi perdeu um dos melhores shows do ano. Vejam a resenha aqui.


Music is Very Porreta // Mastodon: de Stephen Hawking até a Rússia czarista

Depois de vender aqui um muito pouco o Eluveitie e mais outras 14 bandas (com essa não 15), estou aqui para falar do novo álbum do Mastodon, “Crack the Skye”:

mastodon crack-the-skye-album-cover

O desenho por si só é fantástico! O Mastodon é o tipo de banda que consegue unir com ótima qualidade todos os conteúdos: as capas dos álbuns são bem desenhadas e se encaixam perfeitamente ao conteúdo do álbum, a música é bem feita e marcada pela imprevisibilidade do grupo, os vídeos são muito bem produzidos e eles ao vivo não fazem feio. Uma banda moderna que mostra o que o metal precisa atualmente, grupos que saibam fazer de tudo e que estejam prontos para mexer com a atenção do público não importa o que façam.

O som do último álbum tem um quê de Dream Theater, um bom metal progressivo aliado a uma história que só poderia ter saído da cabeça de um maluco. Porém, diferente do DT, o som do Mastodon tem um extra que o torna realmente superior. Se o Dream Theater é uma banda prog 1.0, o Mastodon sem dúvidas é um upgrade de ótima qualidade, pois funde elementos musicais do hardcore, punk, jazz, heavy metal e progressivo de maneira genial, o que torna o som deles caótico, mas sem deixar em momento algum de ser agradável.

Basicamente o álbum trata de um tetraplégico que descobre como fazer viagens astrais. Em uma de suas viagens ele se aproxima demais do sol, queimando o cordão que o prende a seu corpo, caindo no mundo dos espíritos, sendo enviado ao culto de Rasputin na Rússia czarista. Lá o espírito do tetraplégico prevê a morte do místico russo, que pretende usurpar o trono do czar. Rasputin, após ser morto, tenta guiar o espírito do homem de volta para seu corpo, mas no final eles encontram o Demônio, que tenta roubar suas almas e os levar para o inferno.

No meio desta história louca o som é distribuído de um modo confuso. Me lembra em muito a música clássica de grandes artistas como Beethoven, Mozart e Vivaldi. Realmente a música clássica tinha esse quê do imprevisível, do inesperado, das mudanças bruscas de tom, coisa que não vemos atualmente na música moderna, e o rock e o heavy metal não são diferentes. Isso me chamou muito a atenção para o Mastodon com o lançamento deste último álbum e por isso estou compartilhando aqui os dois clipes de “Crack the Skye”, que é de longe o melhor álbum da banda, vejam abaixo o clipe de “Oblivion”, primeira música do álbum:

Realmente não me lembro da última vez que vi videoclipes tão bons quanto este vindos de bandas norte-americanas. Atualmente são poucas as bandas que realmente conseguem me empolgar com os clipes, que sempre trazem uma história e não são apenas os caras batendo cabeça, todas elas interessantemente são europeias. Abaixo o clipe de “Divinations”, tão bom quanto o “Oblivion”.

Site Oficial: http://www.mastodonrocks.com
MySpace: http://www.myspace.com/mastodon
Last.fm: http://www.lastfm.com.br/music/Mastodon

***

1- Se gostou do som, achou a música boa, ruim, uma merda, um lixo ou o que seja, deixe seu comentário. Sua opinião é muito importante para nós :D

2- O Korpiklaani lançou o videoclipe de seu novo single, “Vodka”, que fará parte do seu mais novo álbum, “Karkelo”, que foi lançado dia 26 deste mês. Vejam ele aqui.

3- Quem gosta de Blind Guardian vai sem dúvidas gostar do Witchking, uma banda polonesa de heavy metal que também toca sobre Senhor dos Anéis. O novo vídeo clipe deles, “And the Bearer Goes”, pode ser visto no YouTube.

4- Obrigado novamente a todos os leitores deste humilde blog pelas respostas que andamos recebendo de vocês nos últimos dias. Vocês são FANTÁSTICOS!


Music is Very Porreta // Metaleiro Xiita

Nota do Editor: Esse texto ‘Metaleiro Xiita’  talvez tenha sido o primeiro texto que fez algum ~sucesso~ no blog. Essa reedição é apenas para corrigir quaisquer erros de português. 

firstworldmetalproblems

Ser metaleiro num é fácil

Não é um post sobre o Metallica, mas vou usar bastante o exemplo dessa que é  - e sempre será – uma das maiores bandas da história. Vou usar esse exemplo para falar de um tipo de gente que me deixa extremamente puto: Metaleiro Xiita. Poucas coisas são piores que um Metaleiro Xiita, exceto é claro os hipsters e os fãs de Los Hermanos. Esse tipo de metaleiro – e existem vários – é aquele que acha que sua banda preferida deveria ser sempre como ele quer, o som deve ser sempre aquele que o conquistou, ele não dá o direito da banda amadurecer e com isso amadurecer seu som, para esse tipo, as bandas deviam parar aí pelo 3° disco.

Esse tipo, é aquele tipo chato que fala que o Metallica morreu depois do antológico …And Justice For All (tem alguns que nem deste gostam, falam que tem baladinha demais), falam que depois do Killers o Iron Maiden se vendeu e por aí vai.

metaleixoxiita

Metal pesado em sua essência

Eu não concordo.

Voltemos ao Metallica. James e sua banda nunca se contentaram com fazer o ‘mesmo’, sempre foram de experimentar  - ok, concordo que o St. Anger foi demais, mas o Load nem é tão ruim assim – e agora, com o novo cd, o mais pesado desde sua ~morte~ (alguns ainda vão dizer que continua morto). Oras, os caras fazem tudo que todo mundo sonhava*, há 18 anos o tal retorno do velho Metallica. E agora, que os caras voltam a fazer o som de antigamente, neguinho reclama. Peguei James Hetfield e sua trupe para cristo, mas com a maioria é assim. Quem gosta de Heavy Metal é geralmente um fã muito fiel, compra cd original**, vai aos shows e tudo. Mas proibir e difamar uma banda que ele gosta, só porque a própria banda quis evoluir é muita sacanagem! Por isso eu odeio metaleiro xiita. O cara já se arma de tudo que é preconceito para ouvir um novo disco.

Quando o Slipknot lançou o 3° disco, algumas (várias) músicas tinham uma pegada mais elaborada num estilo um pouco mais “leve”, minha nossa, mas o que eu vi de fã declarando seu repúdio a banda, foi inacreditável. O disco é de longe o melhor, e o novo, que também tem melodias mais harmoniosas e refrões ‘cantados’, vai receber as mesmas críticas que o outro recebeu. E assim vai. Se eu aprendi uma coisa na faculdade até hoje, foi a Relativizar. Relativizar nada mais é do que pesar sempre os dois lados, nunca generalizar e nunca pré-julgar algo. Relativizar serve para TUDO. De música a relacionamento.

metaleiroxiita2

Neste caso, os integrantes dessas bandas evoluem. Consequentemente o som dessas bandas evoluem. E por favor, evoluir é mudar – não necessariamente melhorar.  E o que esses caras querem é que seus fãs evoluam da mesma maneira. Mas sempre vem um maldito xiita falar que eles se venderam e que o mainstream estraga suas bandas favoritas. Que tudo é ruim, que tudo é uma bosta, que nada mais presta. Porra! Você quer que o cara não ganhe dinheiro só por que você quer escutar o seu sonzinho?! Existe coisa mais egoísta do que isso?

Se você que está lendo, tenho uma notícia ruim. O Metallica NUNCA vai lançar outro Ride The Lightning, o Iron Maiden NUNCA vai lançar outro “Iron Maiden”. Ou você prefere que uma banda passe a vida inteira fazendo o mesmo e idêntico som tipo AC/DC? POLÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊMICA, RATINHOOOOOOOOO.

*Lançaram o disco Death Magnetic.
**Ainda existia aquele pedaço de plástico chamado Compact Disc.

Reeditado em 19/05/2013