Crônicas do Cotidiano // Negro ou gay?

Tive uma conversa um tanto quanto produtiva em uma segunda às 9h. É, pensar nesse horário não é mais simples das tarefas, mas eu cheguei a uma conclusão que eu sempre concordei, mas nunca havia pensado nisso antes.

Estranho isso, não é mesmo? Mas sabe quando você fala uma coisa que no fundo você sempre soube que era verdade, mas nunca havia parado pra pensar nisso, o por que disso e mesmo dito isso?

Então, ficou meio confuso, mas eu vou contar o que aconteceu.

Um amigo veio falar de um comentário que ele fez sobre a Parada Gay, perguntando o que aconteceria se houvesse uma Parada Hétero.

Eu tenho vários amigos gays e claro que os defendi. Também achei absurdo.

xiiiparadalgbtdesp-debora-ferraz

Na verdade eu acredito que todos podem e devem celebrar aquilo que são – raça, credo, cor – claro que sem ofender, sem criticar outros grupos. Vamos comemorar a liberdade sem atacar outros.

Enfim, não é esse o ponto da história que interessa.

Ele veio tentar argumentar que os gays respondiam a pergunta dele da mesma maneira que os negros (afro-descendente é muito grande e eu acho que depende do jeito que você fala…). Se você fala em “100% branco” é um desrespeito com os negros, mas “100% negro” é um orgulho. Eu, particularmente, não concordo; como disse anteriormente todos tem o direito de ostentar aquilo que são.

Mas aí chega o momento polêmica do dia:
O que é “pior”?

Um negro defende que não tem chances no mercado, um gay tem se não revelar sua opção sexual, ou se trabalhar com moda!

É isso mesmo. Se você tem um colega gay na empresa que você trabalha você passa a menosprezar a pessoa, a ter cuidado com o que fala e como age (porque vai que ele dá em cima de você)

Ah, lembrando que quando eu falo ‘gay’, você pode e deve substituir por lésbica, o resultado é o mesmo.

Você é homem e hétero, o cara da mesa do lado é homem e gay. Quantas vezes você já falou “não me importo, desde que ele não dê em cima mim?”
Você é mulher e hétero, a guria da mesa do lado é mulher e lésbica. Quantas vezes você já falou “não me importo, desde que ela não dê em cima de mim?”
Você é homem ou mulher, o cara ou a guria do lado é negro. Quantas vezes você falou “não me importo, desde que não dê em cima de mim?”

As duas primeiras eu aposto que você já falou, a última só se você for MUITO racista!

Dois gays em uma mesma empresa. Um que todos sabem e outro que ninguém nem desconfia. Quem você chama pro happy hour? Quem te passa mais confiança? Quem tem mais moral? Quem é o sério?

E aí você fala: Vai fazer corte e costura! Gays só podem trabalhar com roupa, cabelo e maquiagem? Homens heteros que trabalham com isso são zoados de gay.

Uma lésbica em uma empresa é o motivo de medo dos homens e pânico das mulheres. Os homens acham que ela é mais macho que eles, as mulheres acham que vão ser atacadas no banheiro.
E depois ainda falam “ela que tenha a opção que quiser”
Quanta hipocrisia!

Agora me responde. Isso acontece com um negro? As pessoas tem receio em ficar sozinhas com negros? E com isso os homossexuais se escondem, e fazem isso por medo de não crescer na carreira, de serem julgados, isolados, por uma idéia besta que ele(a) é um(a) tarado(a) sem vergonha que vai atacar a qualquer momento no banheiro.

“Ah, Naya, mas antigamente eles se apresentavam como amigos e agora como namorados, eles estão se libertando”. Claro, pra você eles falam isso mesmo, porque você sabe da condição, e se você não soubesse?

Gays freqüentam baladas próprias para eles. Não é nem tanto por uma questão de “vamos conhecer pessoas iguais” e sim “não vamos chocar a sociedade”
Você pode agarrar sua namorada no meio do shopping que vai no máximo ruborizar a vovozinha do lado. Se um gay fizer o mesmo ele é um sem vergonha, se um negro fizer o mesmo (desde que ele seja hetero) ele pode, porque na questão sexual ele é igual a você!

E sabem por que eu coloquei o ‘pior’ entre aspas lá no começo? Porque não é ruim ser homossexual, não é ruim ser negro. Mas a maneira como a sociedade trata que é o chato.

Não querendo desmerecer a “causa negra”, mas e os gays?

Na última parada gay um homem foi morto. Um homem gay E negro. E ele foi espancada por qual razão? Pela cor ou pela opção sexual?

E você prefere um filho negro ou um filho gay?

***

1 – Quem disse que só Pedro é zicado? Eu ri demais com esse texto. O pior é que é verdade

2 – Um texto legal sobre redes sociais.

3 – Quer ser linkado aqui no próximo texto? Mande para @fouquet ou deixe junto com o seu comentário que eu penso no seu caso ;)


Sociedade Alternativa // Os blogueiros e a justiça na internet: grande piada!

Eu não acreditava mesmo que eu iria escrever sobre coisas tão sérias neste blog, chegando ao ponto de não fazer piadinhas de mau gosto. Tanto este quanto o último artigo postado por mim merecem seriedade total.

Não sei o problema que há na Justiça deste país, onde somos obrigados a ver todo o tipo de desmandos e atitudes ridículas do nosso judiciário: aqui , aqui e aqui estão bons exemplos de formas como nosso judiciário não deveria agir, afinal estamos tentando buscar ainda o bem do país, não é mesmo?

justiça na internet

Francamente minha paciência com isto acabou totalmente depois que vi está notícia no blog do Monthiel, antes tendo lido também está matéria publicada no G1. Não sei mesmo onde a internet e a Justiça na internet vão parar, mas parece que estamos começando a perder o foco no que realmente é importante e relevante para nosso país, enquanto nosso Judiciário parece muito preocupado em estancar “brincadeiras de criança”. A internet está virando um lugar complicado para se relacionar – sempre foi, mas tende a aumentar – e o Brasil ainda não está pronto para conceber uma maneira de tratar crimes na internet e punir aqueles que realmente merecem ser punidos, os criminosos.

Acho que todos merecem realmente respeito, independente de raça, credo ou modo de pensar, tanto os blogueiros quanto os comentaristas que realmente buscam um confronto saudável. Mas será que é realmente necessário que os blogueiros agora comecem a apelar para a Justiça em busca de caçar comentaristas maldosos? Moderar ou bloquear os comentários não seria algo mais inteligente ao invés de fazer a Justiça brasileira “perder seu tempo” em busca de pessoas que não merecem um pingo de atenção, enquanto há tantos pedófilos e neo-nazistas assombrando nossas comunidades virtuais? Sim, isso mesmo que você leu: perder seu tempo! Nossa Justiça é um fracasso, lenta e fraca para os crimes na internet, onde os projetos visam mais favorecer as grandes empresas monopolistas do que realmente a população. Os maiores criminosos no final são os que fazem download ilegal, e não os que pregam o racismo e a pedofilia.

Imagine agora se todos os blogueiros resolvessem entrar na Justiça para cada comentário maldoso publicado em seus blogs. O que aconteceria? Por que tantas pessoas resolvem deixar para lá enquanto outras escrevem matérias sobre comentários ou vão falar sobre isto em sites de notícias? Realmente é este nosso objetivo enquanto “donos das mídias independentes de informação”? Será que o objetivo da Justiça na internet é coibir ofensas virtuais ou punir culpados por crimes mais graves? Se formos tomar o que acontece na internet para a nossa vida real, iríamos entrar na Justiça quando formos xingados no trânsito? Eu posso apenas rir de atitudes como estas, para mim é o retorno do velho “vou chamar minha mãe!”, aquilo que eu fazia quando brigava com um amiguinho no pré.

justiça na internet 2

O caso do Techcrunch em nada se parece com cyberbullying e ofensas virtuais, como o portal Global de informação parece tentar induzir. Interessante o modo como o G1, feito por tantos jornalistas “renomados e poderosos” da Globo, parece querer desvirtuar o ponto principal: ameaças de morte são atitudes gravíssimas de um ser humano e um crime que realmente merece investigação.

Vale lembrar que enquanto nós mantemos uma conversa dessas de algo que já existe desde os primórdios da internet, e eu como um dinossauro virtual sei muito bem do que digo, perdemos o foco do que realmente é importante ser investigado. Parece que a nossa blogosfera e imprensa pouco se diferencia do Google. Enquanto o Blogger e o WebSheriff se preocupam em apagar posts com MP3 gratuitas e legalizadas, nossos comunicadores e nossa Justiça estão mais preocupados com xingamentos em blogs do que com pedófilos. E assim caminha a humanidade…

***
1- Mac é para os fracos! Eu apoio o Windows! Rafael Galvão também, e você?

2- E em breve, muito breve, o Lablogatorios se tornará o ScienceBlogs Brasil. Eles sim tem relevância na meritocracia informal da internet. Amanhã, um novo marco na internet brasileira.

3- Eu leio um monte de blogs todo dia, recomendo esta tirinha do Um Sábado Qualquer e um vídeo do que acontece quando um repórter vai cobrir uma queima de pés de maconha no Cogumelo Louco.


Sociedade Alternativa // Vamos Falar Sobre Preconceito

[Nota do Editor] – Esse sou em em 2009 tentando entender o que é preconceito, e começando a abrir a cabeça um pouco. Tem muita besteira aí, mas é um início.

Primeira coisa, eu sou preconceituoso, você é preconceituoso, todo mundo é (quando eu digo todo mundo, por favor, entenda como maioria). Se você não concorda com isso há 98% de chances de você ser um grandessíssimo hipócrita, 1% de chances de ser um personagem de novela (leia-se Maria Clara Diniz) e 1% de chance de ser realmente uma pessoa sem preconceito algum. Antes de continuar vamos deixar claro mais uma coisa, muitos acéfalos por aí acham que preconceito é só quando você chama um ‘afro descendente’ de preto. NOT.

Preconceito não é só isso e não é apenas de brancos versus negros – afro descendente é o caralho. Esse é um assunto tão delicado, e já colocaram tantas coisas na nossa cabeça, que muita gente tem medo de falar sobre o assunto. Qualquer coisa que eu diga aqui vai parecer e ‘soar’ como preconceito puro.
Vamos imaginar a seguinte situação: Um negro chama uma pessoa branca de “Branco azedo”, este por sua vez retruca “Preto safado”. Quem estaria errado? Troque “Branco Azedo” por qualquer xingamento preconceituoso contra qualquer coisa feito por um negro. Não importa, se você pagar na mesma moeda, todo mundo vai achar que você pegou pesado.

Uma coisa que eu não entendo essa parada da nomenclatura, tem gente que acha que falando afro descendente está sendo legal e justo com o negrinho. Mas seja o nome que for ao ver um na rua a noite vai pensar “puta, fudeu”. Fala que é mentira? Da mesma forma que quando você ouve uma pessoa ‘acima do peso’ dizendo que está com fome, a maioria pensa algo como “Fome?”. O ser humano tem o incrível dom de levar algumas coisas muito a sério, gordo faz gordice, preto faz pretice, japonês faz microchips…e por aí vai. O problema é que colocam na sua cabeça que é assim que funciona, eles é que generalizam esta merda toda, e faz você crer que gordo não sente fome, que preto andando é suspeito, correndo é ladrão, que evangélicos são profetas ambulantes, que pobre é burro e tantos outros.

Gordo tem o direito de sentir fome, de deitar depois do almoço – porque você sabe não é? Se um gordo dorme depois do almoço é preguiçoso, se é um magro é porque ele está cansado – e se você é um, por favor, você não tem que contar para todo mundo o que comeu e não comeu para sentir fome, você não precisa explicar. Até porque eles não vão acreditar. Afinal você é um fraco. Da mesma forma que negros não precisam de cotas em faculdade, coisa que eu acho um absurdo é o mesmo que dizer “Vamos dar uma chance a aqueles macacos que não tem inteligência suficiente para entrar na faculdade” – me desculpem, mas para mim quer dizer isso. Da mesma forma que eles tem o direito de morar na favela e querer ter uma vida, e não ter que ser assassinado pela polícia porque “foi confundido com um traficante”.

Assassino, maluco, pessoas más, gente sem caráter e traficante tem de tudo que é cor, nacionalidade e credo. Nossa geração tem cabeça suficiente para ter discernimento. Eu fico com medo de qualquer ‘elemento’ andando no meio da noite no mesmo caminho que eu – eu sempre penso que o cara pode pensar o mesmo de mim. Eu moro em cidade grande, medo e cautela é requisito básico. O que não me dá o direito de ser etnocêntrico. Isso não dá direito de um policial ‘confundir’ um promissor dentista com um traficante, isso não dá direito para um completo IDIOTA passar a mão em uma garota porque ela é coelhinha da Playboy. Mas também não dá o direito de uma Ministra RETARDADA dizer que “não é racismo quando um negro se insurge contra um branco”.

Você pode estar achando este texto meio confuso e se perguntando “aonde diabos esse cara quer chegar?” Eu não quero chegar a lugar algum, este texto foi escrito para fazer as pessoas refletirem um pouco. Para eu mesmo refletir e pensar. Não interessa de onde você veio, em qual Deus você acredita ou se não acredita em nenhum, sua cor, seu peso. Você é um Ser Humano. São os seus atos, seu caráter e seus pensamentos que irão te definir, e não o que pensam de você.

Reeditado em 28/06/13